5 Mitos e Verdades sobre Prótese de Silicone

A prótese de silicone é um implante usado para aumentar o volume de uma região por meio de uma cirurgia plástica, podendo ser usada nos seios, nas nádegas, panturrilhas e outras áreas do corpo.

O uso da prótese de silicone gera diversas dúvidas entre os pacientes, sendo essencial conhecer os mitos e verdades sobre o implante antes de optar por uma cirurgia plástica que utilize esse recurso.

O que é uma prótese de silicone e para que ela serve?

A prótese serve, basicamente, para aumentar o volume de uma determina região do corpo. Nas aplicações cirúrgicas, o silicone deve ser usado na consistência sólida, de forma que se mantenha estável e neutro no organismo, sem apresentar reações ou mover-se.

Paciente escolhe uma prótese de silicone entre duas opções

Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

Apesar disso, no caso da mamoplastia de aumento, por exemplo, existem diversos formatos de implantes e tipos de silicone que podem ser usados de acordo com as recomendações do cirurgião plástico e expectativas da paciente com a intervenção cirúrgica.

Para quem é indicado o implante de silicone e quais os riscos?

O uso é indicado em diversos casos estéticos, mas também reparadores, como pacientes submetidas à mastectomia após tratamentos oncológicos.

O implante mamário não apresenta riscos de câncer de mama. Essa ideia é refutada por diversos estudos médicos apesar de continuar como um receio comum das pacientes. No entanto, foram relatados alguns casos de linfoma anaplásico de grandes células (ALCL).

O ALCL consiste em um tipo raro de linfoma não-Hodgkin relatado na literatura médica pela primeira vez em 2011 e com cerca de aproximadamente 700 casos confirmados em todo o mundo até maio de 2020 e somente 28 casos confirmados no Brasil, em uma estatística estimada de cerca de mais de 35 milhões de próteses implantadas em todo o mundo. Trata-se de um tipo de câncer causado pelo silicone quando o sistema imunológico começa a atacar as próprias células.

Devido à raridade do caso, essa possibilidade não costuma contraindicar a colocação da prótese.

Quais os principais mitos e verdades e respeito da prótese de silicone?

Compreender os mitos e verdade sobre o implante de silicone é importante para que a paciente possa fazer uma escolha consciente e baseada em informações cientificamente comprovadas.

A prótese de silicone atrapalha a mamografia – Mito

Trata-se de um mito que a próteseatrapalha a realização da mamografia impedindo a detecção precoce do câncer de mama. Da mesma forma, não é verdade a relação entre colocação do implante e chances aumentadas desse tipo de câncer.

A paciente deve somente avisar o técnico de radiologia no momento da realização da mamografia apenas para que ele esteja informado quanto à condição, mas o implante não vai atrapalhar a detecção de nódulos ou calcificações.

A mamoplastia resulta em cicatrizes – Verdade

Como qualquer cirurgia plástica, a mamoplastia ou implante de silicone em outras partes do corpo resulta em cicatrizes devido à incisão cirúrgica.

Também é verdade que pode formar-se um queloide ou cicatriz hipertrófica, pois esses fatores não são influenciados pela atuação do cirurgião plástico e sim pela resposta do organismo durante o processo de cicatrização.

O implante mamário prejudica a amamentação – Mito

Outro mito sobre a prótese de silicone que gera dúvidas entre as pacientes é se o implante mamário inviabiliza a amamentação. Como a prótese é colocada abaixo do músculo mamário ou das glândulas responsáveis pela produção de leite, essa afirmação não é verdadeira.

A prótese de silicone pode estourar – Verdade

Sim, a prótese pode estourar, mas destaca-se que as substâncias usadas atualmente garantem que mesmo nesses casos, a saúde da paciente não seja comprometida, pois, próteses de boa qualidade são preenchidas com um tipo de silicone coesivo, que não “escorre” em caso de ruptura do invólucro da prótese.

Além disso, são raros os casos em que o implante de silicone estoura, ocorrendo principalmente devido a fortes impactos, como em acidentes automobilísticos.

É preciso fazer a revisão do implante de silicone – Verdade

Após a colocação da prótese a paciente deve fazer um acompanhamento periódico. Não existe um período preestabelecido para substituição da prótese, dependendo da resposta do organismo da paciente e integridade do implante.

Com essas informações a paciente poderá conversar com o cirurgião plástico escolhido definindo se a colocação da prótese de silicone é a melhor opção para os objetivos dela, fazendo uma escolha consciente e com informações verídicas.

Fontes:

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP);

Ministério da Saúde.